Voltar PAUSED:

Marca: Terraternal

LIVRE FRETE INCLUSO

Também disponível:

 

Visão Geral

Glicação é um processo traiçoeiro e devastador pelo qual os açúcares formam laços químicos com proteínas no corpo, ligando-os e danificando permanentemente os tecidos vitais do corpo. Esse processo acontece numa velocidade mais acelerada naqueles com alta taxa de açúcar no sangue, mas isso acontece com todos nós eventualmente à medida que envelhecemos. Leia mais.

Os danos podem, contudo, ser prevenidos em muitos estágios antes que chegue ao ponto de se tornar irreversível.

Resistência à Insulina

No início desse processo está a resistência à insulina. A insulina é o hormônio liberado tipicamente após uma refeição, que envia sinais para as células do corpo para que estas abram espaço e deixem o açúcar no sangue entrar. Geralmente os telômeros são encurtados e nós envelhecemos, mas, particularmente, se o consumo de carboidratos tiver sido mais alto do que a nossa capacidade, a sensibilidade das células à insulina através de todo o corpo diminui. Quando isso acontece, as paredes das células tendem a ficar fechadas e o açúcar do sangue fica de fora. Isso resulta em menos energia para o corpo, mais açúcar no sangue, uma reação do corpo para produzir mais insulina em resposta, e um ciclo viscoso. Tudo isso desencadeia mais reações de glicação.

Produtos Finais da Glicação Avançada (AGEs) e Intermediários

O corpo é equipado para dar conta dos subprodutos dessas reações iniciais de glicação. Mas, se permitido a continuar, eles atravessam estágios intermediários onde os grupos de proteínas do açúcar aumentam e ficam ainda mais complexas com o que chamamos de Rearranjo de Amadori, Base de Schiff e Reativos Intermediários. Nesse ponto, o corpo ainda consegue quebrar essas moléculas e eliminá-las. Mas se esse processo falhar, devido à estocagem natural inadequada de componentes antiglicadores, níveis elevados de açúcar no sangue, ou disfunções gerais de defesas da glicação associadas com células mais velhas com telômeros mais curtos, então elas se tornam moléculas ainda maiores e mais complexas, que tomam formas diferentes, mas são geralmente referidas como Produtos Finais da Glicação Avançada (AGEs). Na maioria das áreas do corpo, até mesmo essas moléculas, não há ameaça direta e imediata de dano permanente. Isso acontece porque quase todas as células divididas do corpo fazem parte de um conjunto de células que são constantemente descartadas e renascidas das células-tronco ocultas. Então, nesses casos, o acúmulo dos Produtos Finais da Glicação Avançada será eventualmente descartado junto com a célula. Contudo, em célulasnão divididas, particularmente aquelas no sistema nervosa, nas proteínas extracelulares como o colágeno na pele, e particularmente em proteínas extracelulares duráveis como o cristalino do olho, o copro fica particularmente vulnerável ao acúmulo gradual dos Produtos Finais da Glicação Avançada. O acúmulo é geralmente irreversível e os efeitos são frequentemente paralisantes.

Mirando Cada Estágio

Tudo isso nos dá uma oportunidade. Se nós mirarmos simultaneamente o processo a cada um desses pontos, podemos prover uma defesa formidável à devastação da reticulação. Abaixo você pode ver uma tabela da estrada entre a resistência à insulina até a formação eventual dos Produtos Finais da Glicação Avançada, e todos os pontos de intervenção que nosso produto aproveita para impedi-lo ao longo do caminho1:



Componentes do Combate à Glicação

Benfotiamina

Um número de estudos in vitro mostrou que quando a Tiamina (B1) foi aplicada diretamente às células de cultura que haviam sido expostas a altos níveis de glicose, a formação de AGE (Produtos Finais da Glicação Avançada) foi reduzida de forma significantemente, a sobrevivência da célula aumentou e restaurou a atividade reprodutiva aos níveis normais.2 Contudo, a B1 tem baixa biodisponibilidade.3 A Benfotiamina é a prima solúvel em gordura da Tiamina, e tem muito mais capacidade de penetrar nas membranas gordurosas-ácidas-ricas das células. Ela tem uma biodisponibilidade 420% melhor que a Tiamina nos resultados.4

causa da melhora na biodisponibilidade, a benfotiamina mostrou ter o poder de inibir a formação intracelular da AGE em seres humanos, de forma notavelmente superior à Tiamina.5 Em um estudo em particular , os níveis das duas moléculas-chave AGE ((derivado de Metilglioxal e CML) em células vermelhas tiveram uma incrível diminuição de 40% e 69%, respectivamente, após apenas 4 semanas de tratamento .6

Mais animador do que as medidas diretas de glicação in vitro é que também podemos ver esses números da redução da glicação confirmados em experiências reais de seres humanos em estudos in vivo. A suplementação da benfotiamina tem reduzido drasticamente a dor neuropática em humanos com uma percepção elevada da vibração7-9aumento drástico da velocidade da condução do nervo,8 relaxamento restaurado dos vasos sanguíneos e cura da pressão acelerada,10 função dos rins melhorada,11 função das células do coração12 Leia mais.


Carnosina

A estrutura química da L-carnosina é bem similar àquela das proteínas atacadas pelos açúcares, e ela usa essa característica para se oferecer à reticulação com açúcar em vez dos tecidos do corpo. Em adição, ela marca as proteínas afetadas (glicadas) para a remoção das células que eles podem afetar antes que possam causar danos maiores.13 O resultado é que a Carnosina é um inibidor altamente eficiente da glicação in vivo.14


Ácido Alfalipóico

O Ácido Alfalipóico reduz muitos dos efeitos danificadores secundários da glicação, como o aumento da oxidação,15 aumento da adesão celular,16 e a expressão NF-KB.17 Ele também aumenta a sensibilidade à insulina no músculo esquelético e no fígado,18aumenta a glicose e o transporte19-20 e foi mostrado para proteger contra a glicação da retina.21


Acetilcisteína

Foi descoberto que o Acetilcisteína reduz a glicação,22 o dano causado no nervo pela glicação,23e ajuda a prevenir a resistência à insulin.24 Também foi mostrado que ele aumenta o fluxo sanguíneo às áreas periféricas que estavam restritas como resultado da glicação.25


Canela

A canela já é conhecida por normalizar o açúcar no sangue,26aumentar a sensibilidade à insulina27 e normalizar os perfis de lipídio no sangue. Um estudo testou o impacto de diferentes alimentos doces nos níveis imediatos de glicemia, e a surpresa foi descobrir que a torta de maçã com canela de fato diminuiu os níveis de glicemia, e esse fator foi atribuído à canela.28 Outro estudo sugeriu que este efeito deve-se a um polímero em particular da canela que penetra na célula e reage com a cinase, de forma a imitar a insulina.29


5-Fosfato de Piridoxal

Foi descoberto que o 5-Fosfato de Piridoxal, a forma ativa de B6, reduz significantemente a glicação e os Produtos Finais de Glicação Avançada.30-31 No grupo complexo de reações químicas da glicemia à formação de Produtos Finais, o 5-Fosfato de Piridoxal intervém no primeiro estágio – a ligação inicial do açúcar.32 Como inibidor da glicação dos lipídios em particular, vários estudos desobriram que o 5-Fosfato de Piridoxal, junto com o Piridoxal, era mais eficiente do que qualquer outro componente testado, incluindo a carnosina, a aminoguanidina e a piridoxamina. 31


Cromo

O Cromo é o componente mineral da molécula do fator de tolerância à glicose (GTF), necessário para uma entrada apropriada da glicemia nas células. Em outras palavras, o cromo ajuda a insulina a executar o seu papel levando o açúcar do sangue às células, tornando-a mais eficiente. Como resultado, o cromo aumenta a sensibilidade à insulina, reduz os níveis de insulina (porque o corpo necessita de menos),33 e reduz o açúcar do sangue e a gordura ao permitir que eles entrem no músculo e nas células adiposas mais prontamente.33-36 Devido ao aumento na eficácia de converter glicose e gordura em energia, seu uso tem sido associado à diminuição da gordura corporal e aumento de massa muscular.37-38

Garantia do Seu Dinheiro de Volta

Se por alguma razão você não ficar satisfeito com os produtos da Terraternal, simplesmente devolva o que não foi utilizado, dentro de um prazo de 30 dias, para reembolso total. Sem questionamentos.

Código do Produto: TR8001
Quantidade por embalagem: 30 cápsulas
Peso: 907 gramas
Porção: 3 cápsulas
 

Combate à Glicação Fatos do Suplemento


 Suplemento Quantidade por Porção % de Valores Diários
 L-Carnosina 500mg †
 Benfotiamina 200mg †
 Acetilcisteína 400mg †
 Canela 200mg †
 4-Fosfato-de-Piridoxal  50mg †
 Cromo 5mcg †
 † Valor diário não estabelecido  
   

Referências:

  • 1.
    Khalifah, Baynes, Hudson. Amadorins: Novos inibidores pós-Amadori de Reações de Glicação Avançadas. Biochemical and Biophysical Research Communications 257, 251–258 (1999). Esquema adaptado da tabela na página 2 e subsequente discussão de intervenções baseadas em suplementos.

    2.
    La Selva M, Beltramo E, Pagnozzi F, et al. Tiamina corrige a replicação atrasada e diminui produção da lactação e glicação avançada dos produtos finais no retinal bovino e nas células endoteliais da veia umbilical humana colhidas sob altas condições de glicose. Diabetologia. 1996 Nov;39(11):1263-8.

    3.
    La Selva M, Beltramo E, Pagnozzi F, et al. Tiamina corrige a replicação atrasada e diminui produção da lactação e glicação avançada dos produtos finais no retinal bovino e nas células endoteliais da veia umbilical humana colhidas sob altas condições de glicose. Diabetologia. 1996 Nov;39(11):1263-8. Nov;39(11):1263-8.

    Ahmed N, Luthen R, Haussinger D, et al. Aumento na glicação da proteína em cirrose e estratégias terapêuticas para preveni-la. Ann NY Acad Sci. 2005 Jun;1043:718-24.

    Shangari N, Mehta R, O’brien PJ. Suscetibilidade hepatócita para glioxal depende do conteúdo da tiamina da célula. Chem Biol Interact. 2007 Jan 30;165(2):146-54.

    4.
    Frank T, Bitsch R, Maiwald J, Stein G. Alteração da tiamina farmacocinética pela insuficiência renal crônica. Int J Clin Pharmacol Ther. 1999 Set;37(9):449-55.

    Greb A, Bitsch R. Biodisponibilidade comparativa de vários derivados da tiamina após administração oral. Int J Clin Pharmacol Ther. 1998, 36:216-21

    5.
    Lin J et al. Benfotiamina inibe formação intracelular de glicação avançada em produtos finais in vivo. Diab, 2000, 49 (suppl 1): A143.

    6.
    Lin J et al. Benfotiamine inhibits intracellular formation of advanced glycation end products in vivo. Diab 2000, 49 (suppl 1): A143.

    7.
    Sadekov R. et al. Tratamento de polineuropatia pela preparação de milgamma. Zh Nevrol Psikhiatr Im S S Korsakova 1998, 98:30-32.

    Simeonov S et al. Eficácia terapêutica de “Milgamma” em pacientes com dolorosa neuropatia diabética. Folia Med (Plovdiv), 1997, 39:5-10.

    8.
    Winkler G, Pál B, Nagybéganyi E, Ory I, Porochnavec M, Kempler P. Eficácia dos diferentes regimes de dosagens de benfotiamina no tratamento de neuropatia diabética dolorosa. Arzneimettelforschung. 1999 Mar;49(3):220-4

    9.
    Strake, H, Lindemann A, Federlin K. A combinação de benfotiamina e vitamina B no tratamento de polineuropatia diabética. Exp Clin Endocrinal Diabetes. 1996; 104(4):311-6.

    10.
    Gadau S, Emanueli C, van LS, et al. A benfotiamina acelera a cura de membros com diabete isquêmica dos ratos através da kinase B/Akt- mediada pela potencialização da angiofenesis e inibição da apoptose. Diabetologia. 2006 Fev;49(2):405-20.

    11.
    Babaei-Jadidi R, Karachalias N, Ahmed N, Battah S, Thornalley PJ. Prevenção da nefropatia diabética incipiente pela alta dose da tiamina e benfotiamina. Diabetes. 2003 Ago;52(8):2110-20.

    12.
    Ceylan-Isik AF, Wu S, Li Q, Li SY, Ren J. Alta dose de benfotiamina resgata o a disfunção contrátil do cardiomiócito em diabete mellitus induzida pela estreptozotocina. J Appl Physiol. 2006 Jan;100(1):150-6.

    13.
    Brownson C, Hipkiss AR. Carnosine reacts with a glycated protein. Free Radic Biol Med. 2000 Mai 15;28(10):1564-70.

    14.
    Carnosina protegida contra os efeitos adversos dos altos níveis de glicose nas células renais. Janssen, B. 2005.

    A Carnosina inibiu a glicação do amido acetilado Lys-His pela diidroxiacetona e protegeu a alfa-cristalina, superóxido dismutase e catalase contra a glicação Hipkiss, A. 1995.

    A Carnosina se mostrou um agente de antiglicação e seu mecanismo de ação envolve a prevenção da modificação da proteína. Seidler, N. 1999.

    A Carnosina protegeu a alfa-cristalina (uma grande proteína estrutural no cristalino do olho) contra a glicação por açúcar e fosfato de açúcar. Yan, H. 2006.

    15.
    Protege a glicação da retina

    Ghada Ghanem El-Hossary, Amany Hassan M. El-Shazly, Nadia Samy Ahmed, Amal Ahmed, El-Gohary, Fatma Gamal Metwally and Sawsan Hanafy Karam. Eficácia do Ácido Alfalipóico contra a Deterioração Induzida pela Diabete dos Antioxidantes do Sangue e Reninopatia Diabética em Cobaias.

    16.
    Kunt T. et al. O ácido alfalipóico reduz a expressão da adesão da molécula-1 na célula vascular e monócitos humanos após simulação com produtos finais de glicação avançada. Clin Sci. 96:75-82 (1999).

    17.
    Bierhaus A. et al. A ativação induzida pelos produtos finais de glicação avançada do NF-KB é reprimida pelo ácido alfalipóico em células endoteliais cultivadas. Diabetes 46:1481-90 (1997).

    18.
    Elizabeth A. Muellenbach,a Cody J. Diehl,a Mary K. Teachey,a Katherine A. Lindborg,a Tara L. Archuleta,a Nicholas B. Harrell,a Gaby Andersen, b Veronika Somoza,b Oliver Hasselwander,c Markus Matuschek,c and Erik J. Henriksenaa* Interações do inbidor piridoxamina e do antioxidante alfalipóico dos produtos finais de glicação avançada na resistência à insulina do rato obeso Zucker.

    19.
    Jacob S, Henriksen EJ, Schiemann Al et al (1995) Intensificação da disposição de glicose em pacientes com Diabete tipo 2 pelo ácido alfalipóico. Arzneimittel-Forschung; 45(8): 872-874.

    Jacob S, Henriksen EJ, Tritschler HJ et al (1996) Aumento na disposição da glicose estimulada pela insulina em diabete tipo 2 após repetida administração parenteral do ácido tióctico. Exp Clin Endocrinol Diab. 104(3): 284-288.

    20.
    Kishi Y, Schmelzer JD, Yao JK, Zollman PJ, Nickander KK, Tritschler HJ, Low PA. Departmento de Neurologia, Fundação Mayo Clinic, Rochester, Minnesota 55905, USA. Ácido alfalipóico: efeito na absorção da glicose, trajetória do sorbitol, e energia do metabolismo em neuropatia diabética experimental. Diabetes. 1999 Out;48(10):2045-51.

    21.
    Protege a glicação da retina

    1Ghada Ghanem El-Hossary, 1Amany Hassan M. El-Shazly, 2Nadia Samy Ahmed, 3Amal Ahmed El-Gohary, 4Fatma Gamal Metwally and 4Sawsan Hanafy Karam Eficácia do Ácido Alfalipóico contra a Deterioração dos Antioxidantes do Sangue Induzidos pela Diabete e Retinopatia Diabética em Cobaias.

    22.
    Patrizio Odetti, Carlo Pesce, Nicola Traverso, Stefano Menini, Elena Pesce Maineri, Luana Cosso, Sabina Valentini, Stefania Patriarca, Damiano Cottalasso, Umberto M. Marinari, e Maria Adelaide Pronzato. Teste Comparativo de Acetilcisteína, Taurina, e Oxerutina na Pele e Danos nos Rins em Diabetes Experimental de Longo Termo

    Kaneto H, Kajimoto Y, Miyagawa J, Matsuoka T, Fujitani Y, Umayahara Y, Hanafusa T, Matsuzawa Y, et al. (1999). "Efeitos benéficos de antioxidantes em diabetes: possível proteção das células beta contra a toxicidade da glicose". Diabetes 48 (12): 2398–406. doi:10.2337/diabetes.48.12.2398. PMID 10580429

    23.
    Sagara, M. et al "Inibição do desenvolvimento da neuropatia periférica em ratos com diabetes induzida pela estreptozotocina com acetilcisteína." Diabetologia (1996), 39(3), 263-9, XP-000870081. Abstract.

    24.
    C. Andrew Haber2,3, Tony K.T. Lam 2, Zhiwen Yu, et al. Acetilcisteína e taurina previnem a resistência à insulina induzida pela hiperglicemia in vivo: possível papel do stress oxidativo.

    Ammon, H.P. et al. "Análogos de cisteína potencializam a liberação in vitro da insulina induzida pela glizose." Diabetes (Dez. 1986), 35(12), 1390-6, XP000870090. Resumo.

    25.
    Carmeron, N.E. et al. "Tratamento crônico com acetilcisteína previne o relaxamento depedente do endotélio e aumenta o fluxo sanguine do nervo periférico e condução nos ratos diabéticos." European Journal of Clinical Investigation (1995), vol. 25, No. Suppl. 2, pp. A9., Informações do Evento.: 29º Encontro Anual da Sociedade de Investigação Clínica e da Sociedade de Pesquisa Médica da Grã-Bretanha, Cambridge, Inglaterra, Reino Unido Abr. 2-5, XP000870051. Resumo.

    Keegan, A. et al. "Tratamentos com quelato de metal e caçadores de metais livres previnem o defeitos de relaxamento crônico da aorta em ratos diabéticos." Diabetologia (1996), vol. 39, No. Suppl. 1, pp A240.

    26.
    Este estudo mostrou que de 1 a 6g por dia de canela por 40 dias reduziu os níveis de glicemia em 20-30%, assim como reduziu significantemente os níveis de triglicerídeos e colesterol.

    Kham A et al. A canela melhora a glicose e lipídeos de pessoas com diabetes tipo 2. Diab Care 2003, 26:3215-18.

    27.
    Qin B et al. O extrato de canela (erva tradicional) potencializa a utilização in vivo da glicose regulada através da insulina assinalada em ratos. Diab Res Clin Prac. 2003, 62:139-48.

    Imparl-Radosevich J et al. Regulação do PTP-1 e receptor de insulina de cinase por frações da canela: implicações de regulação pela canela de sinalização de insulina. Horm Res 1998, 50:177-82.

    Qin B. O extrato de canela previne a resistência à insulina induzida por uma dieta de frutose alta. Horm Metab Res. 2004, 36:119-25.

    28.
    A canela produz um sangue mais saudável 17:52 24 Novembro de 2003 por Debora MacKenzie

    29.
    Karall J. Jarvill-Taylor, Ph.D., et. al., Hidroxichalcona Derivada da Funções da Canela como Mimética para Insulina em Adipócitos 3t3-L1, Journal of the American College of Nutrition 20(4), 2001.

    30.
    Este estudo mediu a formação de Produtos Finais de Glicação Avançada em soro de albumina bovino com açúcar classificado como radioativo:

    Khatami M, Suldan Z, David I, Li W, Rockey JH.
    Departmento de Oftalmologia, Instituto de Olhos Scheie, Escola de Medicina, Universidade da Pensilvânia, Filadélfia 19104.
    Efeitos inibitórios de fosfato de piridoxal, ascorbato e aminoguanidina Inhibitory effects of pyridoxal phosphate, ascorbate and aminoguanidine na glicosilação não-enzimática. Life Sci. 1988;43(21):1725-31.

    31.
    Ohki Higuchi*, Kiyotaka Nakagawa*, Tsuyoshi Tsuzuki*, Toshihide Suzuki , Shinichi Oikawa § e Teruo Miyazawa 1 Glicação do aminofosfolipídio e seu sistema inibidor de projeção: um novo papel do 5 fosfato de piridoxal como inibidor

    32.
    Do (Z) Ibid. da página 253, seção 3, parágrafo 1

    33.
    'Efeitos Benéficos do Cromo para Pessoas com Diabetes Tipo II,' Diabetes, vol. 45, p. 124A, resumo no. 454, 1996.

    34.
    Aghdassi E, Arendt BM, Salit IE, Mohammed SS, Jalali P, Bondar H, Allard JP. Em pacientes infectados com o HIV, a suplementação com o cromo melhora a resistência à insulina e outras anormalidades metabólicas: um teste de placebo controlado, aleatório e estudo duplo-cego. Curr HIV Res. 2010 Mar;8(2):113-20.

    35.
    Phung OJ, Quercia RA, Keating K, Baker WL, Bell JL, White CM, Coleman CI. Controle de glicose melhorada associado à administração do cromo VI em dois pacientes recebendo nutrição entérica. Am J Health Syst Pharm. 2010 Apr 1;67(7):535-41.

    36.
    Qiao W, Peng Z, Wang Z, Wei J, Zhou A. O cromo aumenta a absorção de glicose e do metabolismo através do aumento dos níveis de mRNA de IR, GLUT4, GS, e UCP3 nas células do músculo esquelético. Biol Trace Elem Res. 2009 Nov;131(2):133-42. Epub 2009 Mar 13.

    37.
    'Efeito do Picolinato de Cromo em Crescimento e Soro e Traços de Carcaça de Porcos', Journal of Animal Science, vol. 71, pp. 656-662, 1993

    38.
    Estudo Confirma que Picolinato de Cromo Ajuda na Perda de Gordura TARRYTOWN, NY -- Junho 23, 1998